• 8 de agosto de 2012

    Olhar para o lado certo

    – Então, eu fiz o exercício que você me pediu, mas não fiz tudo

    – Ok, me conte o que você conseguiu fazer

    – Foi legal ter pensado sobre o assunto, eu percebi que eu não consigo me lembrar muito bem das coisas que eu fiz bem na minha vida. Sei que existem, mas não consigo me lembrar direito sabe?

    – Sei sim, com certeza.

    – Pois é, já das ruins eu lembro um monte.

    – Pois é, daí fica difícil de se sentir confiante e em paz contigo não é?

    – Sim, mas sabe que eu acabei entendendo que eu posso não saber tudo e gostar de mim sabia?

    – Ah é, mas que beleza!

    – Sim. Consegui ver que tem coisas boas em mim e que mesmo se eu não souber de tudo posso gostar de mim, porque eu sou eu oras!

    – Hum, ótimo, muito bom mesmo. Quer dizer que para querer cuidar de ti basta você ser você é?

    – (Risos) Sim.

    – Perfeito! Agora sim vai dar para começar a construir algo legal não é?

    – É

     

    Muitas vezes damos foco para tudo o que não fizemos, não conseguimos, não sabemos. Com o tempo este tipo de foco tende a nos identificar com uma pessoa “sem valor”, “incompetente”, “burra”. Ao nos identificarmos com isso podemos ser muito bons em algo, mas não nos permitimos mostrar isso com medo de que as pessoas vejam “a verdade” (que eu não sei tudo, que sou um burro) tememos que identifiquem as nossas “fraquezas” pois nós as tememos.

    O interessante sobre isso é que tudo começa com este hábito. Sim, um hábito mental de sempre olhar para o que está faltando. Para trabalhar com isso é necessário aprender a mudar o hábito, olhe para o lado certo. Olhar para o que já se conseguiu, por exemplo, para o que funcionou, para o que deu certo, para as conquistas e depois se perguntar: e agora, o que quero fazer para ir além?

    Esse modelo é levemente diferente do anterior. Ele considera o que ainda resta a fazer, no entanto o foco é em uma pessoa que tem competências e que quer fazer outras coisas ao invés do foco em uma pessoa que coleciona fracassos. Essa pequena mudança faz muita diferença.

    Divirta-se

    Abraço

    Visite também o nosso site: www.akimpsicologo.com.br

    Comentários