• 10 de agosto de 2012

    Controle

    – Aí fico pensando: o que ela está fazendo agora? E, logo logo, me dá uma vontade de ligar e saber entende?

    – Entendo sim.

    – E eu fico nessa várias vezes por dia.

    – Compreendo, para que é importante esse controle para você?

    – Ah, sei lá. Saber o que ela está fazendo, tipo eu fico meio ansioso se eu não sei entende?

    – Claro, mas tem alguma coisa além de aquietar a ansiedade você nesse controle você não acha?

    – Hum, é, sei lá. Tipo… É importante.

    – O que acontece se você não tem esse controle? O que, especificamente, te deixa ansioso?

    – Eu fico meio que sem saber o que fazer, preciso daquele controle para daí fazer as minhas coisas.

    – Isso aí, o controle te dá um senso de orientação. Sem esse senso, você fica perdido é isso?

    – É.

    – Perfeito, agora, o que você me diz de ao invés de conseguir esse senso através desse controle, se você conseguir ele através de ti próprio?

    – Hum… nunca tinha pensando dessa forma.

    – Te parece interessante?

    – Sim… acho que se eu ficar bem comigo, fica melhor com o outro né?

    – Perfeitamente e deixa  a pressão nela de lado não é?

    – Sim sim

    Controle. Saber onde está, com quem está, quando sai, para onde vai então… perguntas que muitas pessoas se fazem necessitando de uma resposta. No entanto, controle nunca é por acaso, sempre possui uma finalidade. Esse “fim” geralmente está envolvido com alguma coisa que a pessoa não sabe como lidar adequadamente. No caso acima, aprender a viver a própria vida era o tema, a pessoa sentia-se mais feliz apenas quando um outro lhe dava um suporte emocional para que ele tomasse suas decisões, sem o outro ficava perdido.

    Controlar os passos do outro é complicado pois demonstra falta de confiança e isso é um requisito básico em qualquer relação. O controle cria uma falsa sensação de tranquilidade, falsa porque não está baseada na pessoa, mas sim associada aos comportamentos de uma outra pessoa e na premissa que apenas se o outro manter-se dentro de um determinado padrão poderei ficar tranquilo. Nada mais frustrante e angustiante.

    Compreender quais lacunas tentamos preencher através do controle e aprender novos recursos, comportamentos para usar no lugar do controle para resolver – de verdade – o problema é a solução para esta situação. As soluções podem envolver: melhora na auto-estima e/ou atuo-confiança, aprender a viver sozinho, lidar com frustrações, aprender a se entregar, aprender a confiar, aprender a dar limites e melhorar a comunicação. Existem outras possibilidades ainda, no entanto a ideia é sempre a mesma: sair do controle para garantir a sua liberdade.

    Abraço

    Viste também o nosso site: www.akimpsicologo.com.br

    Comentários