• 15 de agosto de 2012

    O outro e a mudança

    – E então eu entendi que ele queria isso de mim sabe?

    – Sei e você, o que fez?

    – Ah Akim, não sei ao certo. Fico pensando nisso de me adaptar aos desejos dele sabe?

    – Sim, como é isso para você?

    – Ah, é complicado sabe? Não quero ficar mudando toda a minha rotina por causa dele, não quero me adaptar à ele o tempo todo.

    – Entendo, mas me diga: é isso que está sendo exigido de você?

    – Como assim?

    – Ele está querendo que você mude o tempo todo se adaptando à todos os desejos dele?

    – É, tipo, não é bem isso, mas é que eu fico com medo de que seja sabe?

    – Sei sim, me diga: como se comportar frente aos desejos dele de uma forma que seja boa para ele e para você?

    – Hum… não sei

    – Então vamos pensar um pouco…

    – (pensando) Hum, talvez se eu pensar se o que ele quer é bom para mim ou ruim para mim e decidir a partir disso?

    – Como se você estivesse avaliando: se eu fizer essa mudança, estarei mantendo minha integridade ou estarei perdendo-a?

    – Isso, bem isso.

    – Me parece uma boa estratégia para usar, que te parece de usar ao longo de umas duas semanas e me contar o resultado?

    – Ótimo, vou fazer.

    Quando o tema é uma cobrança de mudança de comportamento exigida pelo relacionamento geralmente as pessoas ficam em dois extremos: ou não mudam nada, nunca, por ninguém ou mudam tudo o tempo todo. Ambos os casos são forçados e envolvem uma falta de compromisso com a relação, ambos nunca negociam o primeiro o faz nunca dando espaço para as necessidades do parceiro (limite excessivo), o segundo nunca dando espaço para as suas necessidades (falta de limites).

    Mudar “pelo outro” é algo que deve ser avaliado com critério. Qual critério? O da manutenção da sua integridade. A mudança em si, o comportamento à ser mudado ou adquirido é o que menos importa nesse momento. De fato o que importa é se essa mudança estará violando você. O mais irônico é que podemos falhar com a nossa integridade mesmo sem a cobrança de mudança do nosso parceiro: podemos fazer uma escolha que vai contra os nossos princípios e valores e, com isso, estaremos quebrando a nossa integridade. Coloco esse fato para a reflexão de que não é a escolha do comportamento o que é mais importante, mas sim se este está de acordo com seus valores, princípios e desejos.

    Reflita: se eu fizer essa mudança estarei me mantendo “ético” comigo mesmo? Estarei mantendo minha integridade, meus valores e princípios?

    Se a resposta for “sim”, isso significa que a mudança não vale a pena. Tente negociar ou então aprenda a dizer o “não” mostrando que você não tem nada contra o desejo do outro, mas que essa mudança – para você – não é “ecológica”.
    Se a resposta for “não” significa que a mudança não lhe afetará enquanto pessoa, se esse for o caso, porque não mudar? Adote uma atitude curiosa em relação à mudança que está sendo exigida e procure aprender com ela.

    Abraço

    Visite o nosso site: www.akimpsicologo.com.br

    Comentários