• 23 de outubro de 2017

    O mito do “talento nato” e do “sucesso garantido”

    mastercard-startup-canada-entrepreneur-sme-financial-services-literacy-resources-1000x600

    – Mas eu não quero tentar fazer isso.

    – Eu acho que você quer. Mas tem medo.

    – Do que eu teria medo?

    – De errar.

    – Eu não tenho medo disso.

    – Não? Bem, então tente me fazer entender: você quer isso, tem a possibilidade, só vai te trazer bem. Você realmente quer me convencer que “não quer” tentar?

    – Não gosto quando você fala assim.

    – Claro que não, porque?

    – Porque faz parecer que eu estou me escondendo de alguma coisa.

    – E não está?

    – Eu não gosto quando você fala assim.

    – Responda a pergunta.

    – Sim.

     

    Todos querem talento. Afinal, ser talentoso nos garante muitas coisas não é? Não. Na verdade o que as pesquisas indicam é o oposto. Pessoas “talentosas” tendem a ter mais sofrimento e problemas psicológicos do que as que são “apenas” esforçadas, mas porque isso ocorre?

    Na verdade, isso nada tem a ver com o “talento” em si. Afinal de contas, não há nada de errado em ter facilidades. O problema está no efeito que isso pode causar na mente da pessoa. É muito comum que as pessoas com talentos (ou identificadas com eles) criem um mundo interno dividido em pessoas de “sucesso” e “fracassados” de forma extremamente rígida e infantil. Em outras palavras: ou você é um fracassado completo ou é o rei do mundo. Embora lendo estas palavras, elas possam parecer ridículas, a sensação emocional e psicológica, infelizmente é essa, uma relação “ou, ou”.

    Assim sendo, ao longo do tempo estas pessoas não assumem novos desafios ou mesmo se lançam em desafios pessoais pelo fato de que se não der certo elas se tornam “um fracasso” e elas não são isso, são? Não, na verdade ninguém é. Porém, com os anos de fuga de situações que a expõe ao risco de errar, elas acabam “fracassando” com elas próprias. É triste, porém comum ver o “aluno brilhante” ou a “menina mais linda e popular”, no futuro, pois foram apenas aquilo e nada mais. É comum que os outros que precisaram se esforçar melhoraram sua vida e aqueles com muito potencial não.

    O mito do talento nato associado ao sucesso garantido gera este pensamento nocivo que a psicóloga Carol Dweck chama de “mindset fixo”, ou seja, um pensamento no qual as pessoas são de determinada forma, nada poderá mudar isso e, por causa disso, seu futuro já está traçado. Dá muito medo pensar dessa maneira, afinal ou tenho sucesso ou sou um fracasso sem chance de recuperação. É fácil de ver porque as pessoas saem da zona de aprendizado e exposição ao pensarem assim.

    Isso vale para tudo, em especial para relações e desenvolvimento pessoal. Muitos medos que nutrimos em relação ao nosso desempenho, nada mais são do que concepções infantis sobre o que é ser bem sucedido em algo. Se você pensa que ou tem o sucesso total ou será um fracasso, está pensando de maneira limitante. Porém, quando consegue imaginar que há algo para ser aprendido, pode sair disso. Para você não achar que isso é papo, vou falar um pouco sobre a minha própria história. Costumo dizer que comigo as coisas geralmente “começam ao contrário”. Em geral, primeiro passo por muitos dos revezes para, depois, ter acesso à algo melhor.

    Pois bem, como você pode imaginar, durante um bom tempo isso foi um martírio para mim. Porém, depois de certo tempo, comecei a gostar e hoje fico esperando para ver qual será o revez de uma nova atividade. Porque? Poque eu vi que isso me fortalece. Quando tudo “vai a contento” é gostoso, mas eu não cresço, apenas repito um padrão. Agora, quando as coisas negativas aparecem, embora no momento eu tenha que lutar, ao final, aprendi e sai mais forte, mais esperto para usar essas competências nas próximas vezes. Ao ver os revezes também dei mais valor aos momentos em que “tudo dá certo”, afinal, isso significa que eu posso dar um “passo além” (e procurar novos problemas).

    Usei esta história pessoal, para tentar animar você a errar. Porque? Porque nossa cultura teme o erro, porém ao fazer isso, nos afastamos do aprendizado que está junto com ele. Frear um processo de desenvolvimento pessoal pelo medo de errar é que consiste um verdadeiro “fracasso”. Nenhum talento ou esforço garantem nada para o futuro, ele é sempre possibilidade. Assim, não é o fato de não conseguir que acaba com você, mas sim o fato de não tentar, este sim, mata todas as possibilidades. Então, tente. Se não conseguir, tente de novo, aprenda, mude a estratégia e saiba disso: não é porque você é um fracassado que está aí quebrando a cabeça, mas porque é um membro da raça humana. E sim, humanos erram, por isso, aprendem.

    Abraço

    Comentários