• 3 de junho de 2020

    Noites mal dormidas

    – Eu não dormi bem hoje à noite.

    – O que aconteceu?

    – Bem, fiquei pensando muito sobre a vida sabe?

    – Ah, claro. E como foi, aproveitou este momento?

    – Não sei… acho que sim… pelo menos estou com bastante assunto para a terapia.

    – Então vamos à eles

     

    Muitas vezes acordamos à noite ou nem conseguimos dormir. Porém, em várias ocasiões não se trata apenas de uma insônia, mas sim, de um pedido interno para refletirmos sobre nossas vidas ou alguns problemas do momento. Estas noites “mal dormida” podem, também, ser bem vividas

    Porque a noite? Já me fizeram esta pergunta várias vezes e não sei responder plenamente. Já vi algumas pesquisas que sugerem que durante a noite temos um momento mais propício neurologicamente falando, de estabelecer novas conexões e pensar em temas difíceis de forma mais leve. Gosto de pensar poeticamente também, pois, na noite, o momento sombrio de nossas vidas é que podemos olhar para aquilo que a luz do sol oculta. Apenas nas sombras podemos estar mais a vontade com aquilo que é sombrio em nós.

    O fato é que muitas vezes buscamos (conscientemente ou não) a acolhida da noite para refletir sobre nossas vidas. E o que pensamos nestes momentos? “Será que devo continuar vivendo assim?”, “eu não sei se estou realmente bem”, “acho que quero mudar minha vida”. Estas são algumas perguntas que meus clientes me dizem que tem durante a noite. Talvez indagar-se sobre a maneira de viver seja uma das atividades humanas mais comuns, mesmo que não façamos nada de diferente com ela.

    Muitas vezes, achamos que precisamos fazer grandes mudanças, mas na maior parte dos casos que atendi, as pequenas mudanças foram as mais importantes. Aprender a dormir, comer e se divertir de uma forma diferente, por exemplo, são grandes mudanças em nossas vidas. Aprender a dizer aquilo que sentimos e a ouvir os outros também. Aprender a nos relacionar de uma maneira nova e a nos despedir de uma forma nova. Por fim, sempre percebo que os temas mais comuns são, também os mais importantes.

    Sentimos as mudanças como grandes, porque elas acabam falando de mudar algo muito pequeno e específico dentro de nós: a nossa forma de ver o mundo. É uma pequena frase, como: “eu sou fraco”, “não sei de nada”, “ninguém me ama”. Estas frases curtas, possuem um poder enorme de organizar nosso comportamento. E de tempos em tempos, vemos que precisamos mudar a nossa forma de agir, para podermos ver algo sobre nós que antes não víamos, como, por exemplo: “sou forte”, “tenho conhecimento”, “sou amado”.

    Esta mudança simples ainda pode nos levar mais longe: “eu sou fraco algumas vezes e forte em outras e me amo em todas estas situações”. E aqui temos uma grande mudança. Obviamente, não se trata de ficar repetindo esta frase, pois as palavras não são importantes. O que é fundamental é sentir o que elas significam. O ação interior de tornar estas palavras vivas na nossa vida é a grande mudança. Como fazer isso? Cada um terá que encontrar a sua maneira, as reflexões da noite apenas nos mostram a porta, nós devemos abri-la sozinhos.

     

     

    Comentários