• 11 de setembro de 2020

    A arte da reflexão pessoal

    – Então eu me lembrei aqui da terapia.

    – O que foi que você lembrou?

    – Do exercício que fizemos. Eu me vi ali naquela situação e pensei: “sempre me vejo sendo ignorada por todos, mas sou eu quem está quieta”.

    – E que efeito isso teve?

    – Foi bem interessante porque de início eu relaxei e depois vi que não queria falar naquela hora.

    – E isso foi bom?

    – Sim, me senti aliviada. Depois de um tempo alguém falou algo e eu resolvi conversar também, mas foi porque quis e não porque eu “tinha que”.

     

    Um dos grandes temas em praticamente toda a terapia é olhar para algo que não olhávamos antes. Porque não fazemos isso? Porque nosso pensamento é “viciado”, ou seja, ele tem a intenção de nos levar sempre para o mesmo lugar. Então, um dos grandes avanços que você poderá fazer em sua vida é abandonar momentaneamente como está pensando seus problemas e tentar olhar de outra forma.

    Mas como fazer isso? Um dos primeiros pontos a considerar é que as perguntas que você tem se feito podem não ter sido tão uteis quanto você imagina. A lógica é simples: se você faz uma boa pergunta, ela te leva para uma boa resposta. Se as perguntas que você tem se feito deixam você sempre no mesmo ponto (ou ainda, rodando entre vários pontos) considere desistir delas e lançar mão de novas perguntas. Essa atitude, obviamente exige coragem e disposição, pois considerar a hipótese de que suas peguntas não te ajudam pode ser muto difícil para várias pessoas.

    Outro ponto importante é apegar-se aos fatos concretos. Quando digo isso, porém, não me refiro apenas a eventos externos. Pensamentos e emoções também são fatos. A questão é que muitas vezes sentimos e pensamos coisas que negamos. Percebemos eventos internos e externos e tendemos a minimizá-los. Geralmente nestes “pontos cegos” de nossa consciência é que residem as informações realmente pertinentes para nossa mudança, mas deixamos que elas escapem.

    A história que contamos para nós em geral tende a reforçar (e não a mudar) aquilo que já pensamos sobre nós. Assim sendo, uma atividade recreativa e interessante é contar a sua história de uma maneira completamente diferente. Não, isso não vai mudar a sua personalidade ou anular quem você é. Este exercício apenas vai lhe fornecer uma nova visão dos fatos – e toda história pessoal é criada com base em versões de fatos e não com “a” verdade. Assim sendo, será possível você ver coisas que hoje não vê e nisso é possível encontrar novas possibilidades de ação.

    A ação é um elemento fundamental. Muitas pessoas querem pensar e repensar e repensar o repensado para pensar tudo novamente mais tarde. Porém a díade pensamento-ação é a que se mostra mais eficaz em termos da reflexão pessoal. Quando digo ação, novamente é importante lembrar que “ação” pode ser uma maneira nova de pensar ou um novo enquadre de uma mesma situação. Assim sendo uma das formas de olhar sua vida de uma nova perspectiva é pensar e agir e colher resultados e apenas então pensar novamente.

    Por fim, entenda que você pode buscar pelas “respostas certas” ou por respostas. A primeira é sempre impossível de ser encontrada, então nunca funciona. A segunda dá muito mais medo de tomar nas mãos pelo fato de ela ser real. Então uma forma de mudar sua perspectiva sobre você é tomar nas mãos as respostas que você já tem e usá-las para ver onde elas te levam. O importante é que você se coloque em movimento, para verificar o que você pensa. O ato de refletir serve à algo, espero que sirva a sua própria vida.

     

    Comentários