• 13 de novembro de 2020

    Abrir concessões

    – Mas eu não posso dizer isso para ele!

    – Porque não pode?

    – Ah, se eu disser, ele vai ficar se achando.

    – E qual o seu problema com isso? O que você tem a dizer é mentira?

    – Não, mas… não sei como isso pode melhorar a relação.

    – Honestidade não é um dos seus valores?

    – Sim, mas não ser tomada como otária também é.

    – E de que maneira dizer que ele é bom em algo que ele é e você admira isso nele a fará uma otária?

    – Se ele quiser se achar para cima de mim!

    – Caso ele o faça, será que você não consegue dar um belo limite nele?

    – Talvez.

    – Bem, então talvez tenhamos que ver isso, afinal de contas você pode ser honesta e ainda se defender caso ele leve isso por um lado imaturo.

    – É, pensando assim…

     

    Abrir concessões soa como algo de uma pessoa derrotista para muitos. Porém, longe disso, é uma habilidade que requer profundo conhecimento de nossos valores e, quando feita de maneira apropriada, pode ser uma demonstração da sabedoria de um grande tomador de decisões.

    Para abrir uma concessão, a pessoa precisa compreender bem a fundo os seus valores. Isso porque quando fazemos isso, estamos  abrindo mão de algo que queremos por outra coisa que também queremos. Abrir concessões significa dizer não e sim ao mesmo tempo. Suportar este paradoxo é difícil para muitas pessoas. Também envolve saber seus limites, pois é através dele que sabemos ao que e quanto podemos dizer sim e não. Assim sendo, quando alguém abre uma concessão com estes valores em mente, está afirmando sua personalidade e não negando-a.

    Então, porque temos uma percepção tão negativa sobre abrir uma concessão? Porque olhamos apenas para aquilo que estamos perdendo. Existe uma perda sim quando se abre uma concessão, porém, o fazemos com a percepção de algo que também ganhamos. A concessão, neste sentido é uma forma de troca em que aquilo que eu troco é algo que perco. O que ocorre com muitas pessoas é que elas não sabem abrir uma concessão, pelo contrário, agem de maneira negligente com suas vidas e valores pessoais.

    Este é outro fator que contribui para a má fama da concessão. Existe, porém, grande diferença entre fazer uma concessão de maneira responsável e ser negligente com sua saúde mental. Quando abrimos mão daquilo que é importante para nós, apenas com medo de deixar o outro triste ou bravo, por exemplo, nem sempre estamos abrindo uma concessão, estamos, apenas nos esquivando de algo que julgamos negativo. Muitas vezes abrir concessão significa encarar nosso medo de magoar o outro para lutar por algo que nos é importante.

    Outra situação é a pessoa que nunca abre concessões. Digo que existem duas formas de escaparmos de nós: uma é sempre fazendo o que os outros querem e a outra é nunca fazendo ou ouvindo ninguém que nos cerca. Isso porque colocamos as pessoas em nossas vidas, afinal de contas. Assim, as pessoas que o rodeiam, de alguma maneira conhecem você de uma forma que você não se conhece. Negar todo e qualquer comentário e desejo dessas pessoas pode ser negar algo de você que você nem sequer conhece.

    Por fim, para abrir uma concessão de maneira adequada, pergunte-se: quais são os valores pelos quais estou me guiando ao dizer “não” para o que quero? O que espero com isso? Se sua resposta para a segunda pergunta for evitar algo, melhor repensar, concessões são quase sempre mais interessantes quando visam criar algo a partir daquilo que estão deixando para trás e não o contrário. Além disso, preste atenção à freqüência: se você ceder muito mais do que se coloca, é hora de rever as suas “concessões”.

    Comentários