• 22 de dezembro de 2021

    Todo impulsivo é um planejador compulsivo

    Background photo created by jcomp – www.freepik.com

     

    – Mas Akim, eu não sei o que me dá!

    – Não?

    – Não.

    – Me parece raiva.

    – Sim, sim, me dá raiva, porque quando a pessoa começa a me criticar eu já vou… sabe né?

    – Não, vai o que?

    – Ah, já fica aquela vozinha na minha cabeça dizendo “não leve desaforo para casa, quem esse cara pensa que é”.

    – Sei e o que acontece depois?

    – Bom… fica isso, o sangue ferve e daí já viu né? É meio que tipo, esperar para estourar.

    – Entendi, e você fica ali né? Não sai dali por nada?

    – Não, não posso levar desaforo para casa oras!

    – É porque se você pudesse, era só virar as costas e ir embora, daí não seria tão impulsivo.

    – Mas eu não consigo, quando vi, já foi.

    – Ao mesmo tempo você me descreveu bem o processo não?

     

    Impulsividade é a habilidade de agir por impulso. Muito adequada para muitas situações pode salvar sua pele em momentos de tensão. Porém se essa é a sua resposta para tudo, terá problemas. Que tal planejar sua vida de forma diferente?

    Se o título deste post chamou sua atenção, vou repeti-lo: todo impulsivo é um planejador compulsivo. A única exceção que encontrei até hoje são pessoas com danos neurológicos concretos. A impulsividade é uma maneira de responder ao mundo, ela pode ser muito útil quando empregada numa situação adequada. Assim sendo, muitas pessoas confundem o fato de gostarem de agir impulsivamente com o fato de serem vítimas disso.

    A impulsividade é uma escolha, assim como a agressividade ou a passividade. O impulsivo assume determinados valores e regras de conduta pelas quais se guia. Em geral estão relacionadas com confrontos, relações de poder e superioridade. O “impulso” é um comportamento conhecido do impulsivo. Todos os com quem trabalhei sabem exatamente o que fazem, como e porque o fazem. A questão do impulsivo está na recusa em assumir a impulsividade como escolha.

    É mais simples agir de maneira agressiva, visando apenas a manutenção do status quo no qual se encontra naquele momento. O impulsivo, em geral, tem certo receio em sentir-se “por baixo” em alguma situação. Quando se vê em algum cenário que possa fazê-lo sentir-se assim, tende a reagir “impulsivamente”. A impulsividade funciona bem neste tipo de cenário porque assusta as demais pessoas e, com isso o impulsivo mantém-se “por cima”. Impulsivos odeiam pessoas muito calmas que eles não conseguem manipular a partir de sua “surtadinha”.

    Quando afirmo que eles são controladores, o que quero dizer é o seguinte: o impulsivo não cria a rotina que o leva para a impulsividade apenas no momento. Ele a nutre diariamente com atos físicos e mentais. O impulsivo trabalha com sua mente todos os dias para explodir na hora certa. Você verá que  a maior parte dos impulsivos estoura com determinados temas e não com outros (e eles sabem disso). Assim sendo, isso me parece mais fruto de um planejamento do que mero “impulso”.

    Ser impulsivo, não significa não ser controlado. Isso pode chocar muitas pessoas, mas a característica de reagir impulsivamente não tem como requisito não saber o que está fazendo ou não ter consciência. Pelo contrário, impulsivos clássicos tendem a negar o que fizeram e minimizar as consequências, prova clara de que sabem o que fazem. A desconexão emocional entre o ato e a escolha é o grande problema, pois protege esta atitude. Infelizmente, também mantém a pessoa com uma reação de baixa eficácia.

    Abraço

    Comentários