• 4 de julho de 2012

    Pai ou namorado?

    – E eu fico dividido com isso, não sei se gosto dela como amigo ou se ainda sinto algo por ela como homem.

    – Pois é, ao longo do que temos visto fica claro que você está em um momento de sua vida no qual cansou de ficar toda hora ajudando ela e não se sentindo retribuído com isso não é mesmo?

    – É, bem isso.

    – Daí que você tem feito as coisas que quer, que precisa até para sentir-se melhor contigo. Esse lado está querendo aproveitar a sua vida, divertir-se e crescer profissionalmente. Mas tem o outro lado, aquele do relacionamento, que se manifesta de uma forma bem paizão não é?

    – É. Percebo bem isso. Agora aproveito a minha vida, não estou me sentindo mal sozinho. Saio com meus amigos, trabalho, estou crescendo profissionalmente.

    – Agora me responda: você quer, nos seus relacionamentos, ser pai ou namorado, esposo?

    – Namorado, esposo.

    – Ótimo, então tem que se comportar de acordo com isso. Sua ex tem que te seduzir novamente enquanto homem. Você, por sua vez, deve aprender a vê-la tal como ela é e ver se ela casa com o que você deseja de uma mulher entende?

    – Sim, me parece que é isso que tenho que fazer mesmo.

    Muitas pessoas, homens e mulheres assumem em seus relacionamentos um papel “paizão” ou “mãezona” com seu conjugue. Geralmente vem com um excesso de responsabilidade para com o outro e uma falta de responsabilidade para consigo. Possuem desejos, necessidades que deixam em segundo plano durante um bom tempo enquanto estão “ajudando”, “dando uma força”, “sendo companheiro” com o conjugue e não percebem que esta ajuda toda não é uma “ajuda”, mas sim um padrão de relacionamento que vai – ao longo do tempo – se cristalizando. Entendem a ajuda como algo ocasional, quando, na verdade, é um forma de se relacionar nascendo.

    É importante ser companheiro e é importante também que o outro seja companheiro. Cada um possui esse senso do que é ser companheiro de formas diferentes, daí a importância de checar: estou sendo atendido no que preciso também? É importante saber o que se quer e se estamos com alguém que nos oferece isso. Negociar é sempre importante assim como saber quando não possuímos o que o outro precisa. O amor une as pessoas e os padrões de relacionamentos são o que vão manter a união.

    Abraço

    Visite também o nosso site: www.akimpsicologo.com.br

    Comentários