• 19 de outubro de 2012

    Hierarquia de critérios

    – E então meu caro… eu fiquei preocupado com não ter feito aquelas coisas. Eram importantes para mim sabe?

    – Sei sim, mas me conte, o que será que aconteceu para você não fazê-las?

    – Eu não sei… quando vi estava lá e não fiz nada que eu queria.

    – Lembre do momento em que você desistiu ou no qual você ficou “empacado” entre uma coisa e outra.

    – Ok.

    – O que você pensou? O que você se disse nesse momento?

    – Não sei ao certo, mas pensei que minha família não iria aprovar o que eu queria fazer por um lado e que eu tinha responsabilidades por outro.

    – E daí fazer algo que você “simplesmente” queria não batia com a pressão de se sair bem com a família ou com as suas outras responsabilidades?

    – Sim.

    – Perfeito. Podemos dizer, então, que a sua família e as suas responsabilidades entraram em conflito com o seu desejo é isso?

    – É, pode-se dizer assim.

    – Ok, olhe que bacana: você está em um momento no qual se responsabilizar por você é importante e, ao mesmo tempo, terá que reavaliar, ou melhor, re-valorizar alguns outros pontos da sua vida: família e responsabilidades.

    – Como assim?

    – Simples: se fossemos imaginar uma hierarquia me parece que “família” e “responsabilidades” estariam em cima de “pessoal” não é mesmo?

    – (Risos) Ah tá, entendi, é bem assim mesmo! Eu estou em último lugar nesse sentido.

    – Ótimo, o que temos que trabalhar agora é em uma re-hierarquização dos seus critérios entende? Para que o lado “pessoal” possa ser expresso sem culpa, com convicção.

    – Entendi!

    Criamos nossa vida dando prioridades à alguns temas: família, empresa, amor, profissão. Ao longo dos anos é natural que alguns destes temas sofram alterações em suas importâncias. Isso pode ocorrer por situações que a pessoa passou – algumas pessoas, depois de um ataque cardíaco que quase os mata colocam a família e os relacionamentos num patamar mais alto que o trabalho – por mudanças naturais do ciclo da vida – um casal que coloca a critério “filho” em primeiro lugar logo após o nascimento da criança – ou por mudanças nos objetivos pessoais – num processo de terapia, por exemplo, a pessoa descobre o prazer em ser mais solta e deseja mudar a forma de trabalhar dando mais valor ao critério “satisfação pessoal” do que ao critério “dinheiro” ou “status”.

    Quando estas situações ocorrem é necessário colocar os critérios novamente na balança e negociar consigo próprio o que se quer com cada um deles, mudando muitas vezes a forma de pensar e de se comportar de maneira que – ao final da negociação – todos os critérios sejam satisfeitos dentro da uma perspectiva nova de vida que a pessoa criou para si.

    Existem várias formas de realizar este processo e cabe ao terapeuta ajudar a pessoa a chegar ao consenso entre suas várias “partes” ou em relação aos seus vários critérios de forma que ela faça mudanças de forma pró-ativa e responsável, “sabendo o que está fazendo”.

    Abraço

    Visite o nosso site: www.akimpsicologo.com.br

    Comentários